O Apgar é o score mais utilizado no mundo para avaliar a vitalidade de recém-nascidos no primeiro e no quinto minuto de vida. A avaliação considera cinco aspectos, os quais são responsáveis por nomear o score. O primeiro A do inglês Appearance refere-se à cor da pele, o P do inglês Pulse à frequência cardíaca, o G do inglês Grimace à irritabilidade reflexa, o segundo A do inglês Activity ao tônus muscular e por fim o R do inglês Respiration ao esforço respiratório.

Para cada um desses parâmetros atribuímos uma pontuação de 0 a 2, sendo as condições vitais melhores, quanto maior for a pontuação. Dentre os aspectos observados os mais importantes tanto como sinais de alerta a equipe médica para a provável necessidade de intervenções quanto para avaliação da resposta do RN às manobras realizadas são a Frequência Cardíaca e a respiração.

A Frequência Cardíaca deve  ser  avaliada por meio da ausculta do precórdio com estetoscópio, podendo eventualmente ser verificada pela palpação do pulso na base do cordão umbilical. Os resultados possíveis são detalhados abaixo:                           FREQUÊNCIA CARDÍACA (0): A  assistolia exige a realização das manobras de reanimação neonatal.                                                                                                         FREQUÊNCIA CARDÍACA (<100): A FC é um dos principais aspectos para  determinação da necessidade de reanimação, pois podem indicar asfixia grave. Além disso, é um bom parâmetro para avaliar a eficácia das manobras realizadas. Caso a FC aumente nas avaliações posteriores a realização de intervenções, em geral, haverá um bom prognóstico. Caso a FC  não aumente há indícios de que as manobras estão sendo, por algum motivo, ineficazes.                                                                                     FREQUÊNCIA CARDÍACA (>100): O RN possui FC dentro da normalidade.

A respiração, por sua vez,  mantém estreita relação com a FC. Assim, é necessário que o RN respire de maneira regular e suficiente para manter a FC > 100 bpm. Por isso, assim como a FC é de grande importância para determinação da necessidade de reanimação, pois pode indicar asfixia grave. Os resultados possíveis são detalhados abaixo:
RESPIRAÇÃO (ausente): A   apneia  exige  a ventilação por pressão positiva como manobra  imediata.
RESPIRAÇÃO (irregular): O  RN  com  respiração superficial,  lenta,  irregular  e  com  choro  fraco  deve  ser  considerado  em dificuldade respiratória.  Pois, espera-se do RN  vigoroso  movimentos  respiratórios bem estabelecidos ao fim do 1º minuto.
RESPIRAÇÃO (regular): O RN possui movimentos respiratórios vigorosos dentro da normalidade.

Sob essa perspectiva, o score de Apgar deve ser individualizado conforme os aspectos mais relevantes e o momento de sua realização. A avaliação do primeiro minuto é considerada um diagnóstico situacional, o qual pode traduzir sinal de asfixia e necessidade de ventilação mecânica, por exemplo. Já o Apgar de quinto minuto, que possui maior acurácia, pode inclusive levar ao prognóstico da saúde neurológica da criança.

Uma pontuação de 8 a 10 como presente em cerca de 90% dos recém-nascidos sinaliza sinais vitais ótimos. Notas 7 normalmente conotam dificuldade leve e podem facilmente ser revertidas na avaliação do quinto minuto após realização de intervenções como a aspiração. Já o Apgar entre 4-6 traduz uma dificuldade de grau moderado e entre 0-3 uma dificuldade de ordem grave que requerem maior atenção. Assim, a pontuação obtida pelo score alerta a equipe médica para a possibilidade de o bebê necessitar de intervenções.

Se preferir assista ao vídeo abaixo, este eu explico com calcular o Apgar score