Fala, galera!

Já ouviram falar sobre os 12 pares de nervos cranianos? Sabe quais são e como avalia-los? Hoje você vai aprender tudo isso de maneira rápida e bem direta! Primeiro, permita-me apresentá-los:

Difícil decorar? Nem tanto! Dá uma olhada no vídeo abaixo que ensino um jeito prático de aprender esses nomes e a ordem deles.

Mas, voltando...Os nervos cranianos são chamados assim por se originarem, aos pares, diretamente do encéfalo, conectando-se aos órgãos dos sentidos ou músculos para realizar funções sensitivas, motoras ou ambas (mistas). Uma curiosidade é que os 1º e 2º pares não são nervos tecnicamente, e sim prolongamentos do sistema nervoso central que se ligam ao telencéfalo e diencéfalo, respectivamente. Já todos os outros são fibras nervosas aferentes (sensitivas) e/ou eferentes (motoras) que se ligam ao tronco encefálico. A avaliação deles pode ser feita no exame neurológico de rotina ou como avaliação secundária após um trauma (ex: acidente de trânsito, queda). Vejamos agora como avaliá-los:


Nervo olfatório (I)

  • Tipo: sensitivo.
  • Função: olfativa.
  • Avaliação: pede-se ao paciente para identificar odores específicos (ex: sabão, café e cravo), uma narina de cada vez.

Nervo óptico (II)

  • Tipo: sensitivo.
  • Função: visão.
  • Avaliação: avaliam-se acuidade e campo visuais, reflexo fotomotor e fundoscopia.
  • 1. Acuidade visual: testada pelo quadro de Snellen ou quadro manual de visão, em que, numa certa distância o paciente deverá identificar as letras ou figuras, um olho de cada vez. Alguns utilizam também as placas pseudoisocromáticas de Ishihara ou de Hardy-Rand-Ritter para avaliar a percepção de cores (é o famoso teste para avaliar daltonismo).
  • 2. Campo visual: pede-se ao paciente para olhar fixamente para frente enquanto o examinador mostra o dedo indicador nos quatro quadrantes visuais do olho avaliado.
  • 3. Reflexo fotomotor: através de um feixe de luz, o examinador estimula a pupila do paciente, provocando miose (diminuição/constrição) ou midríase. No exame sem alterações, observa-se miose após estímulo luminoso (reflexo fotomotor direto), miose no olho não estimulado pela luz (reflexo fotomotor consensual/indireto) e miose ao convergir o olhar, ou seja, ao “ficar vesgo” (reflexo de acomodação).
  • 4. Fundoscopia (exame de fundo de olho): utiliza-se o oftalmoscópio para procurar alterações oculares que justifiquem a alteração visual do paciente.

Nervo Oculomotor (III), nervo Troclear/Patético (IV) e nervo Abducente/Motor Ocular Externo (VI)

  • Tipo: vegetativo (apenas o oculomotor) e motor (os 3 nervos).
  • Função: 1. Movimentação dos olhos, pelos músculos retos e oblíquos do globo ocular 2. Movimentação da íris e da lente (função vegetativa exclusiva do 3º nervo).
  • Avaliação: o examinador pede que o paciente movimente o olho para cima, para baixo, para os dois lados e obliquamente, ao mesmo tempo que observa as seguintes funções específicas: 1. Oculomotor - abertura dos olhos, movimento do olho para cima e para fora, para cima e para dentro, para dentro, para baixo . Além disso, testa-se rapidez e simetria do reflexo fotomotor, função exclusiva do 3º nervo. 2. Troclear - para baixo e para fora 3. Abducente -  para fora. Atenção: o nistagmo (tremor do globo ocular) breve é considerado normal.

Nervo trigêmeo (V)

  • Tipo: misto (motor e sensitivo).
  • Função: 1. Ramo oftálmico - reflexo córneo-palpebral e sensibilidade orbital. 2. Ramo maxilar: sensibilidade da pálpebra inferior, do nariz, do lábio superior e da dentição superior. 3. Ramo mandibular - sensibilidade dos 2/3 anteriores da língua, do mento (queixo) e da dentição inferior e motricidade da mastigação.
  • Avaliação motora: 1. Solicita-se que o paciente cerre os dentes, enquanto faz a palpação do músculo temporal e masseter (músculos da mastigação). 2. Solicita-se que o paciente abra a boca contra resistência para avaliar a força do músculo pterigoideo.
  • Avaliação sensitiva: 1. sensibilidade geral: estimule a facie com objeto rombo alternando com pontiagudo, o paciente deve estar com os olhos fechados. 2. Reflexo córneo-palpebral: estimula-se a córnea na porção inferior ou lateral com um pedaço de algodão e observa-se o paciente piscar e lacrimejar os olhos ao toque.

Nervo Facial (VII)

  • Tipo: misto (motor, sensitivo e vegetativo).
  • Função: 1. Motora - movimentos/expressões faciais. 2. Sensitiva - sensibilidades tátil, térmica e dolorosa do pavilhão auditivo, conduto auditivo externo e tímpano e gustação dos 2/3 anteriores da língua. 3. Vegetativa -  secreção das glândulas lacrimais e salivares.
  • Avaliação motora: observa-se a simetria da movimentação facial, solicitando que o paciente levante os supercílios, franza o cenho (testa), feche os olhos firmemente, sorria e encha as bochechas de ar.
  • Avaliação vegetativa: sudorese e lacrimação, se presentes ao exame
  • Avaliação sensitiva: 1. Com diapasão vibrando, aproxima-se do pavilhão auditivo (orelha) e pede-se para o paciente identificar o final da vibração. 2. Realizam-se testes sensitivos com hastes flexíveis e algodão frio e morno nas orelhas. 3. Avalia-se a gustação.

Nervo Vestíbulo-coclear ou Auditivo (VIII)

  • Tipo: sensitivo
  • Função: 1. Fibras vestibulares - percepção consciente da cabeça, do movimento e do equilíbrio. 2. Fibras cocleares - audição
  • Avaliação auditiva: sussurra-se uma frase num ouvido enquanto oclui-se o outro, diante de qualquer pera auditiva, parte-se para testes audiológicos especializados
  • Função vestibular: procura-se a presença de nistagmo à movimentação ocular ou diante de estímulos rotatórios, auditivos, luminosos, etc. Observa-se se é horizontal ou vertical, episódico ou repetitivo, simétrico, assimétrico convergente ou divergente e se está associado a vertigem ou não.

Nervo glossofaríngeo (IX)

  • Tipo: misto (motor, sensitivo e vegetativo).
  • Função: 1. Motora - elevação e contração do palato mole (“céu da boca”) e da úvula e deglutição. 2. Sensitiva - gustação do 1/3 posterior da língua, sensibilidade da faringe. 3. Vegetativa - glândula parótida.
  • Avaliação motora: Pede-se ao paciente para dizer “Ah” ou bocejar e observa-se o posicionamento do palato e da úvula.
  • Avaliação sensitiva: Avalia-se a gustação.

Nervo Vago ou Pneumogástrico (X)

  • Tipo: misto (motor, sensitivo e vegetativo).
  • Função: 1. Motora - inervação do músculo do palato mole, faringe e laringe (fonação). 2. Sensitiva -  sensibilidade cutânea da área retroauricular e do conduto externo auditivo, da mucosa da laringe e porção inferior da faringe. 3. Vegetativa - inervação parassimpática de vísceras torácicas e abdominais.
  • Avaliação motora: é possível avaliar apenas alguns pontos. 1. Reflexo do vômito ou de tosse - gera tosse ou princípio de vômito ao colocar paleta na base língua. 2. Reflexo óculo-cardíaco - gera bradicardia ao exercer pressão no globo ocular, mas não é rotina. 3. Reflexo sinocarotídeo - gera bradicardia por estímulo dos barorreceptores, mas não é rotina.
  • Avaliação sensitiva: toca-se com hastes flexíveis na região retroauricular e no conduto auditivo externo (na região da orelha).

Nervo Acessório ou Espinal (XI)

  • Tipo: motor
  • Função: inerva os músculos esternocleidomastoideo (ECM) e trapézio
  • Avaliação do m. ECM: pede-se ao paciente para girar a cabeça contra a resistência imposta pela mão do examinador, enquanto este palpa o músculo ativo (o oposto ao lado da rotação
  • Avaliação do m .Trapézio: pede-se ao paciente para levantar os ombros contra uma resistência imposta pelo examinador na parte superior dos ombros.

Nervo Hipoglosso (XII)

  • Tipo: motor
  • Função: simetria e posicionamento da língua
  • Avaliação: 1. Solicita-se ao paciente que exteriorize a língua para o examinador observar simetria, presença de fasciculações (tremores) ou desvio para algum lado 2. Solicita-se que o paciente empurre a língua contra as bochechas alternando os lados, enquanto o examinador palpa externamente para sentir a força do movimento

E assim apresento-lhes os 12 pares de nervos cranianos! Qualquer dúvida, envia pra gente!