A Oclusão Vascular periférica parcial ou também conhecida como restrição do fluxo sanguíneo é um método de treinamento que restringe parcialmente o fluxo arterial e o fluxo venoso total na musculatura de trabalho durante o exercício. A realização de exercícios com fluxo sanguíneo reduzido obtido pela restrição vascular proximal ao músculo remonta ao Dr. Yoshiaki Sato no Japão, onde era conhecido como "treinamento de kaatsu", que significa "treinamento com pressão adicional". O treinamento de Kaatsu agora é realizado em todo o mundo e é mais comumente referido como "treinamento de oclusão vascular periférica parcial", sendo realizado usando um sistema de torniquete pneumático.

Dessa forma, a técnica utiliza um sistema de torniquete pneumático que realiza aplicação de uma pressão externa, normalmente usando um manguito de torniquete, na região mais proximal dos membros superiores e / ou inferiores. Quando o manguito é inflado, ocorre uma compressão mecânica gradual vascular sob o manguito, resultando em restrição parcial do fluxo sanguíneo arterial para estruturas distais ao manguito, mas que afeta mais severamente a saída venosa do manguito, que também propõe impedir retorno venoso. A compressão vascular proximal ao músculo esquelético resulta em suprimento inadequado de oxigênio (hipóxia) no tecido muscular.

Além disso, a diminuição do fluxo sanguíneo venoso resulta em acumulação sanguínea dentro dos capilares dos membros ocluídos, podendo gerar um eritema visível. O nível de acumulação de sangue pode ser influenciado pela quantidade de pressão aplicada. Além de tudo isso, quando as contrações musculares são realizadas com oclusão vascular, há um aumento na pressão intramuscular sob o manguito, o que atrapalha ainda mais o fluxo sanguíneo.

Treinamento com restrição parcial do fluxo sanguíneo

Hoje o método oclusão vascular do fluxo sanguíneo combinado com o treinamento resistido e exercício físico de baixa intensidade tem aplicabilidade prática na reabilitação cardíaca, lesões ortopédicas e tratamento de doenças osteoarticulares. Entretanto, a aplicabilidade do método envolve muitos cuidados. Com isso, é fundamental que o profissional da área da saúde saiba as vantagens, desvantagens e a quem pode ser aplicado.

O entendimento do princípio do recrutamento é muito importante nesse aspecto. O recrutamento de grandes unidades motoras ou fibras musculares do tipo II aumenta gradativamente com o nível de força muscular desenvolvida e apresentam um limiar de ativação superior quando comparadas com as fibras de musculares do tipo I. Isso de certa forma sugere que somente o treinamento resistido com alta intensidade pode causar ativação das fibras musculares rápidas que possuem maior capacidade para hipertrofia e força. No entanto, em situações específicas como durante a reabilitação após reconstrução do ligamento cruzado anterior, onde o paciente não pode realizar atividades com cargas elevadas devido aos cuidados pós-cirúrgicos, devido à contraindicação de altas cargas, é importante desenvolver estratégias capazes de amentar a força muscular e massa magra nessa população (BUFORD et al., 2015). Com isso, o treinamento resistido de baixa intensidade com oclusão vascular apresenta grande aplicabilidade.

Treinamento com restrição parcial do fluxo sanguíneo

O American College of Sports Medicine (ACSM) recomenda para um treinamento adequado de desenvolvimento da força muscular, entre 60% a 70% de uma repetição máxima (1RM) que uma pessoa pode levantar e entre 70% a 85% de 1RM para produzir hipertrofia muscular. No entanto, muitos estudos observaram que a restrição parcial do fluxo sanguíneo combinada com exercícios de baixa intensidade (20–30% concêntricos de 1-RM) resulta em hipertrofia do músculo esquelético, com aumento de sua área transversal, aumento da força e aumento da resistência. Essa abordagem vem se mostrando segura e não representa um risco maior do que o exercício tradicional de resistência com alta intensidade em relação ao sistema cardiovascular, muscular, estresse oxidativo e velocidade de condução nervosa.

O método de restrição parcial do fluxo sanguíneo combinado com exercícios de baixa intensidade (20-30% 1RM) desenvolvido no Japão há 53 anos, vem sendo proposto para indivíduos que não toleram altas cargas de 1RM (> 70% 1RM), altas repetições por conjunto (isto é, 15-30 repetições) e intervalos curtos de descanso entre conjuntos (isto é, 30 segundos). Uma vez que os resultados dos estudos mostram grandes efeitos do exercício resistido de baixa intensidade combinado com a oclusão vascular parcial na indução do aumento no tamanho e força muscular, próximos aos resultados obtidos com exercícios de alta intensidade. É uma maneira de melhorar as respostas musculares sem a necessidade de utilização de altas cargas mecânicas. Evidências indicam que o exercício de baixa intensidade de alto volume (por exemplo, 20% de 1RM, quatro séries de 30-15-15-15 repetições) combinado com a restrição do fluxo sanguíneo pode aumentar a força muscular e hipertrofia, assim como os hormônios anabólicos.

Referências:

GILES, L., WEBSTER, K.E., MCCLELLAND, J., COOK, J.L. Quadriceps strengthening with and without blood flow restriction in the treatment of patellofemoral pain: a double-blind randomized trial. Br J Sports Med, 51: 1688–1694, 2017.

LAURENTINO, C., UGRINOWITSCH, C., ROSCHEL, H., AOKI, M.S., SOARES, A.G., NEVES JR, A.G., AIHARA, A.Y., FERNANDES, A.R.C., TRICOLI, V. Strength training with blood flow restriction diminishes myostatin gene expression. Med. Sci. Sports Exerc, Vol. 44, No. 3, pp. 406–412, 2012.

PATTERSON, S.D., HUGHES, L., WARMINGTON, S., BURR, J., SCOTT, B.R., OWENS, J., ABE, T., NIELSEN, J.L., LIBARDI, C.A., LAURENTINO, G., NETO, G.R., BRANDNER, C., MARTIN-HERNANDEZ, J., LOENNEKE, J. Blood Flow Restriction Exercise Position Stand: Considerations of Methodology, Application, and Safety. Frontiers in Physiology, v. 10, p. 1-15, 2019.

SCOTT, B.R., LOENNEKE, J.P., SLATTERY, K.M., DASCOMBE, B.J. Exercise with blood flow restriction: An updated evidence-based approach for enhanced muscular development. Sports Med, 45: 313-25, 2015.

TAKARADA, Y., SATO, Y., ISHII, N. Effects of resistance exercise combined with vascular occlusion on muscle function in athletes. Eur J Appl Physiol, 86: 308–314, 2002.

Esse conteúdo é produto da Pós-Graduação em Ciências da Saúde Aplicada ao Esporte e à Atividade Física - Universidade Federal de São Paulo – Unifesp em parceria com a MedPhone-Tecnologia em Saúde.                             http://medicinadoesporte.sites.unifesp.br/

TEMA: "Comparação da força muscular entre quadríceps e isquiotibiais após exercícios com 30% da força máxima com e sem oclusão vascular periférica no pós-operatório de ligamento cruzado anterior: um ensaio controlado randomizado."

Pelo aluno: Rafael Francisco Vieira de Melo http://lattes.cnpq.br/3656657876413287

Orientado pelo: Prof. Dr. Moisés Cohen         http://lattes.cnpq.br/5558512244477786

Co-orientado pelo: Prof. Dr. William Komatsu http://lattes.cnpq.br/1898450330418640