DOENÇA NÃO COMPLICADA

·         Infecção de vias aéreas superiores, sem sinais de desidratação, dispneia, sepse ou disfunção de órgãos.

·         Sinais e sintomas: febre, tosse, dispneia, odinofagia, congestão nasal, cefaleia, mal-estar e mialgia.

·         Imunossuprimidos, idosos e crianças podem apresentar quadro atípico (s/ sinais de desidratação, febre ou dificuldade para respirar).

PNEUMONIA SEM COMPLICAÇÕES

·         Infecção do trato respiratório inferior sem sinais de gravidade

·         Criança: tosse ou taquidispneia
·         < 2meses: ≥ 60 irpm
·         2 a 11 meses: ≥ 50 irpm
·         1 a 5 anos: ≥ 40 irpm

PNEUMONIA GRAVE

·         Adolescente ou adulto: infecção do trato respiratório inferior com um ou mais  sinais de gravidade abaixo:
·         FR > 30 irpm
·         Dispneia
·         SpO2 < 90% em ar ambiente
·         Cianose
·         Disfunção orgânica

·         Crianças com tosse ou dispneia com um ou mais dos sinais de gravidade abaixo:
·         Uso de musculatura acessória
·         Incapacidade ou recusa de se amamentar ou de ingerir líquidos
·         Sibilância ou estridor em repouso
·         Vômitos incoercíveis
·         Alteração do sensório (irritabilidade ou sonolência)
·         Convulsões

·         O diagnóstico é clínico. Imagens torácicas podem excluir complicações.

Síndrome da Angústia Respiratória Aguda

·         Início ou agravamento dos sintomas respiratórios  (até 1 semana do aparecimento da doença)

·         Pode apresentar: alterações radiológicas (opacidades bilaterais, atelectasia lobar/pulmonar ou nódulos)

·         Edema pulmonar não explicado por ICC ou hiper-hidratação

·         Relação PaO2/FiO2 ≤ 300 mmHg
·         leve (entre 200-300 mmHg)
·         moderada (entre 100-200 mmHg)
·         grave (abaixo de 100 mmHg)

SEPSE

·         Síndrome da resposta inflamatória sistêmica com disfunção orgânica na presença de infecção presumida ou confirmada.

·         Sinais frequentes de disfunção orgânica:
·         Alteração do nível de consciência
·         Oligúria
·         Taqui e/ou dispneia
·         SpO2 < 95%
·         Taquicardia
·         Pulso débil
·         Extremidades frias
·         Coagulopatia
·         Trombocitopenia
·         Acidose
·         Elevação do lactato sérico ou da bilirrubina

CHOQUE SÉPTICO

·         Sepse acompanhada de hipotensão [pressão arterial média (PAM) < 65 mmHg] apesar de ressuscitação volêmica adequada eo lactato é ≥ 2 mmol/L, s/ hipovolemia.

·         Choque séptico em crianças: hipotensão* em crianças ou 2-3 dos seguintes:
·         estado mental alterado
·         taquicardia ou bradicardia (FC < 90 bpm ou >160 bpm em bebês e FC < 70 bpm ou > 150 bpm em crianças)
·         tempo de enchimento capilar prolongado (> 2 s)
·         taquipnéia
·         petéquias ou púrpura
·         aumento de lactato
·         oligúria; hipertermia ou hipotermia.

*hipotensão: pressão arterial sistólica [PAS] < 5º percentil ou > 2 DP abaixo do normal para a idade

Referências:

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo de Manejo Clínico para o Novo Coronavírus (2019-nCOV). Brasília, 2020.

BOUADMA, Lila et al. Severe SARS-CoV-2 infections: practical considerations and management strategy for intensivists. Intensive Care Medicine, p. 1-4, 2020.

BMJ. Best Practice COVID-19. Mar, 2020